segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Fritas, hamburger, amor e sexo

Hoje, eu e o @SteadyShooter criamos uma teoria.

Amor e sexo são como hamburger e batatas fritas. Quer ver?
Hamburger e batatas fritas são perfeitos juntos, mas você pode comer separados. Hamburger sem batata é sem graça... Já batata sem hamburger é gostoso igual (não igual, igual... mas na mesma quantidade). Você pode comer batata com tudo.

Leve em conta que o hamburger é o amor e as batatas o sexo (acompanhou né?). Bom, batatas são simples, você pode comer várias, são deliciosas e você pode apreciar até com, sei lá, sushi. E de vez em quando você pode sim comer batata com quatro queijo flambada! O sexo é assim, se você pensar. Simples, só é complicado se você quiser.

Hamburger são grandes, cheios de ingredientes e mudam de lugar para lugar. Para você ter uma idéia, dentro do Mc'Donalds os sanduíches mudam de franquia para franquia! E ainda tem aqueles hamburger's tão grande (tripo king) que não cabem na gente! Preciso dizer que o amor é complexo, cheio de ingrediente e as vezes nem cabe na gente?

domingo, 23 de outubro de 2011

A solidão faz umas coisas engraçadas. Coloca as coisas em perspectivas. Faz com que você mude as coisas de lugar. Se pergunte mais de uma vez qual é realmente o caminho que você quer seguir.

Eu sei as coisas que eu não quero, vou descobrir o que quero logo.

Das coisas que eu não vou esquecer:

O 1o bjo de verdade, girado embaixo da escada do cfh.
Do "Estou apaixanoda por você" cheio de medo, no meio da noite e do silêncio que se seguiu.
Das mímicas nas músicas.
Munchkin com o mano bêbado.
Comprar alianças.
Brigar por Diablo.
Deitar na grama só por expontaneidade.
Dos planos. Todos eles.
De fugir pelo cfh.
Dos livros, quadrinhos e filmes.

Da dor que é tudo isso partir.
Eu fui mesmo transformada em vilã de uma história que não tem certo e errado.
As coisas acontecem e não tem certo ou errado. Cada um dá o seu melhor e se não funciona mais os caminhos se separam.

Porque eu enxergo com clareza eu sou fria. Porque não quero ver nenhum de nós sofrendo eu não amo. Porque eu sei o que eu preciso (e o que eu preciso é distância), então eu não entendo.

Bem me disseram que eu fiz as coisas pelos motivos errados, de maneira errada. Também me disseram que não dei o melhor de mim. E até que eu não amava tanto assim.

Bastantes acusações. Por fim me disseram "não procure apoio aqui ou ali".
Acho meio difícil seguir conselhos agora, sabe? Porque é assim: sobraram algumas pessoas dispostas a não me apontar como errada e vilã, não me acusar de coisas que obviamente não fizeram parte dessa história.

Meus amigos estão me ferindo e me dizendo o que devo fazer. Sabe o que eu sinto?
Só EU sei porque fiz as coisas e onde posso me apoiar e para onde posso seguir. Quem não estiver afim de me ouvir, ótimo, também não venha falar. Estou terrivelmente cansada. Já não bastou todo aquele drama com o N.? Não sou conhecida pelas escolhas mais tradicionais, mas parece que existe um problema sério com respeitar e ouvir constante.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Sempre será uma questão de disponibilidade nas relações.

Não são as diferenças, mas o que você faz com elas: briga ou as usa para complementar.
Não é a diferença de tempos, de momento de vida, mas a disponibilidade de aceitar e esperar.
Não é a distância, mas o quanto se pode aguardar, ser feliz estando distante.

Sempre será sobre a disponibilidade que se tem para lidar com as situações que estão ai.
Deve estar bem próximo da calmaria, agora.
Como eu sei disso? Porque a tempestade sempre piora antes de melhorar.

E, por deus, não pode piorar mais.

[Chove lá fora e aqui
Tá tanto frio]

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

O relógio virou a última hora do dia. Achou metafórico. Sabia que aquele dia passaria e nada nem ninguém perceberia a diferença. Bom, ela sabia. Havia pintado as unhas e tinha aquele sapato novo brilhante esperando. Bom, esperariam, porque tudo estava bem despedaçado. Mais que seu sapatos, ela queria sair de seu casulo quente e confortável, só não era tempo. Mesmo que o dia parecesse tão certo.
Se eu ainda não tinha postado isso, não foi por falta e identificação. "Não vê que eu sou assim Perdida de amor Começo pelo fim Te amo desse jeito Meio do avesso Escolho valsas, véu,vestidos, flores pro altar E só depois de tudo paro e vejo Que você serve pra mim Dou nome ao nossos filhos e o seu eu mando tatuar E só depois de tudo paro e vejo Que você serve pra mim"

terça-feira, 18 de outubro de 2011

A Bella e a Fera ao inverso

[Ela pegou a flor esfacelada no chão.
Sentiu em sua garganta um aperto enorme do choro que não queria sair.

"Algumas coisas se quebram."

Não tiveram coragem de ir além da frase óbvia. Ela queria recolher a flor e colar cada pétala se possível, isso não resolveria. Nada resolveria. Aquela rosa estava destruída.

Algumas coisas quebram e ponto.]

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Se cortar o cabelo não funciona mais (post anterior), comprar botas novas sim. =D

Ok, é claro que eu não estou falando literalmente, mas ter um dia bom funcionou. Passei a tarde no centro, vi livros, quadrinhos, botas. Me diverti. E isso melhorou meu humor. Me deu fôlego.

[E também me fez entender, porque é tão fácil comprar compulsivamente: ter a bota me trouxe uma sensação tão boa que seria muito fácil buscar isso novamente comprando mais e mais ;)]

Oh minhas botas LINDAS!

domingo, 16 de outubro de 2011

Aqui dentro tá tudo zoneado. As coisas seguras não estão seguras nem nos lugares delas.
Na verdade minha cabeça está batendo como em um liquidificador. Quando eu paro e respiro, acho que finalmente penso "ok, então é isso. beleza.", tudo se move, tudo pulsa novamente.

Me sinto meio Alice caindo. Meio Nina percebendo que sempre estará no mesmo ponto por mais que cresça.
São tantas coisas. Ainda está tão fora do lugar.

Havia uma época que exatamente como a Quinn de glee, eu acreditava que bastava cortar meu cabelo e tudo se resolveria. Até porque resolvia! Eu me sentia forte, corajosa e enfretava meus problemas.

Bom meu cabelo está repicado e nada está no lugar.

"Sei mais do que eu quis
Mais do que sou
E sei do que sei
Só não sei viver
Sem querer ser
Mais do que sou"

sábado, 15 de outubro de 2011

Só por uma noite

Eu procurei em outros corpos encontrar você
Eu procurei um bom motivo pra não, pra não falar
Procurei me manter afastado
Mas você me conhece eu faço tudo errado, tudo errado

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Só essa noite, só essa, quero fechar os olhos e dormir.

Porque toda garota merece aquela noite de descanso.

domingo, 9 de outubro de 2011

Estive relendo os 100 fatos sobre mim aqui no blog e percebi como algumas coisas mudam. Alguns vão achar besteira, mas eu achei que NUNCA ia usar facebook. Tinha o meu a anos e odiava! Meu fato 50 era "odeio o facebook." Eu também jogava muita canastra pela internet. É aquela coisa de valores centrais e periféricos que a psicologia ensina a muito tempo: nessa lista já estava que espero que as pessoas cumpra o que me disseram, assim como aquelas coisas que "nunca mudam". ;) Essa sou eu, posso mudar minha rede social (é bem difícil, leva anos, tem que vencer minha teimosia, mas eu posso), mas não se pode mudar quem sou por dentro.

Comprometer-se

Não sei qual o problema que as pessoas tem com comprometimento, mas estou meio cansada de eu estar errada por esperar que quando alguém me diga que vai fazer algo ela faça. E se não puder fazer me avise. E por deus, eu acho isso maturidade. Um amigo me disse que antes eu era curiosa e esperava algo das pessoas e hoje não espero. Ele também disse que eu desejo que elas tenham o mesmo padrão que eu. Não concordo com a segunda parte, mas a primeira é verdade, mudei bastante: eu esperava muito dos meus amigos (e já falei disso no blog). Endureci um pouco também, mas ainda espero várias coisas ou não me decepcionaria. Ainda tenho curiosidade, mas esperar demais magoa todo mundo. oO Hoje espero que me respeitem. "Parece energia mas é só distorção E parece que sempre termina Mas não tem fim"