sábado, 26 de maio de 2012

"(...)
Contudo, no final foram as tardes de domingo que se tornaram insuportáveis: aquela terrível sensação de não ter absolutamente nada para fazer que se instala em torno das 14h55, quando você sabe que já tomou um número mais que razoável de banhos naquele dia, quando sabe que, por mais que tente se concentrar nos artigos dos jornais, você nunca conseguirá lê-los nem colocar em prática a nova e revolucionária técnica de jardinagem que eles descrevem, e quando sabe que, enquanto olha para o relógio, os ponteiros se movem impiedosamente em direção às 16 horas e logo você entrará no longo e sombrio entardecer da alma.


A partir daí as coisas começaram a perder o sentido. Os sorrisos alegres que costumava distribuir durante os funerais dos outros começaram a sumir. Aos poucos, começou a desprezar o Universo em geral e cada um dos seus habitantes em particular."

Volume três da série "O mochileiro das Galáxias" (ou "Fronteiras do Universo") - A Vida, O Universo e Tudo o Mais.
Douglas Adams. 

Amo esse livro, separei esse trecho a mais ou menos 4 meses atrás. Aliás, eu separei ele no dia 27 de janeiro. E, neste dia, as coisas mudaram profundamente. Talvez por isse esse texto tenha ficado perdido em rascunhos. Mas gosto dele. Então pelo dia do Orgulho Nerd (atrasadoo!!), aí está.

sábado, 12 de maio de 2012



É tão estranho o quanto eu preciso me fechar em mim. Me amedronta porque parece que só eu preciso da solidão para entender, curar e descansar. Mas sei que preciso dela. Faz parte de mim. Precisar de tempo é assim tão estranho?
"Qualquer distância entre nós
Virou abismo sem fim"

terça-feira, 1 de maio de 2012

"Wendy sente necessidade de tomar conta dos outros, não importando os efeitos que isso possa ter sobre seu próprio bem-estar."

-O Lobo Mau no Divã, Laura James
O mundo inteiro desabou. Todas as pequenas coisas que suspendiam a leve tenda do circo se foram. No meio do tufão só a árvore cultivada por anos resistia. Qual a razão de plantá-la? Ah, claro, segurança para o futuro... O futuro que estava voando, brincando nos redemoinhos.