sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Ela acordou, o coração batia aos saltos. Estava sonhando... Era ele em seu sonho. Seu coração pulou três vezes.
Tinha de acreditar no que sentia. Seu coração, aos berros, dizia que aquilo era sim paixão.
Deus do céu precisava deixá-lo. Precisava parar de desejá-la, mas mesmo que quisesse, sabia que não poderia.
Como não desejar beijá-lo, estar com ele em lençóis quentes, deixá-lo escorregar as mãos pelo seu corpo?
Oh deus, em seu sonho ele apenas dera oi. E ela tentou despejar nele tudo o que sentia, sem sucesso. Nem dormindo podia tê-lo, nem dormindo podia deixar de querer.

Maldito.

Ela abraçou o travesseiro e sonhou acordada, que, ao menos, podia imaginar o que quisesse.

*Fatos reais*

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

"Exatamente porque, ser finito e indigente, tem o homem na transcendência, pelo amor, o seu retorno à sua Fonte, Que o liberta."

Paulo Freire, Educação como Prática da Liberdade.